Compartilhando o significado de ter um carro antigo... ou mais de um!

sábado, 17 de junho de 2017

Problemas paranormais do meu Wartburg 353 - Parte 1


Parada em um passeio a Cottbus, há 100 Km de Berlim.

Ah, Wartburg, Wartburg… este é sem dúvida o carro mais “interessante” que já tive. Primeiro porque ele é o meu primeiro com motor 2 tempos, bem como o primeiro do “outro lado da cortina de ferro” (aviso aos jovens – se você não sabe o que foi a tal cortina de ferro, pesquise a respeito. O mundo era bem diferente de hoje). Mas ele sempre será lembrado com o carro do defeito mais persistente que já vi… podem dizer que sou teimoso, ou mesmo burro (por insistir na teimosia), mas este é de fato um exemplar emblemático de como um carro tão simples pode ser tão misterioso quanto aos seus problemas.


Vazamento de óleo do câmbio.
O sintoma continua sendo o mesmo – depois de algum tempo funcionando bem, ele perde torque e, em seguida aparecem outros sintomas como falha, tosse, mais perda de força, até que ele para de vez. As hipóteses óbvias foram verificadas mas mesmo assim o carro continuou igual, e os mecânicos daqui não haviam resolvido o problema até o momento – alias, só serviram para dilapidar as minhas poucas e cambaleantes economias para níveis frustrantes. Até que, por intermédio de um amigo, descobri um mecânico há 8 Km do trabalho – e o melhor, uma pessoa que faz estes serviços primordialmente porque gosta, e não tem uma fila de carros todos os dias, que precisam ser entregues.

Wartburg sendo luxuosamente transportado por um BMW 530i
Um outro amigo meu fez o grande favor de conseguir uma carretinha e levarmos o carro até a casa desse mecânico, já que o Wartburg não saía mais do lugar. Após algumas semanas, algumas peças trocadas e áreas reparadas (incluindo um preocupante vazamento no câmbio), ele me liga e diz que o carro está pronto, e que posso ir buscar. Carro buscado, mecânico pago, sigo meu caminho feliz e contente. Tudo funciona bem até que, três dias depois o problema volta, da mesma forma que antes. Começa a falhar, tosse, perde força, e mal se mexe no lugar. Consigo chegar até o estacionamento, e guardo-o até passar o inverno, para que o mecânico possa ver o que aconteceu de errado e fazer o que for necessário. Passados os quarto meses de frio quase insuportável, fui com ele até o estacionamento, e ele conferiu que havia faísca em cada uma das velas, havia gasolina, e o carro ligava, ainda que com dificuldade. Seguimos juntos até uns 8 quarteirões, quando ele pediu para parar pois o carro estava ruim de novo. Limpamos as velas, usamos o auxiliar de partida (a bateria já havia aberto o bico) e o enfermo Wartburg acordou novamente, para seguir jornada. Combinei com ele em trôpego alemão que buscaria o carro quando voltasse de viagem, o que lhe daria três semanas para investigar os problemas  com calma e segurança.

Quase um mês depois, fui buscar o famigerado veículo alemão oriental, pronto e revisado. Foram trocados filtro de combustível, velas, soquetes dos cabos de vela, reparo da bomba de combustível e conferiu-se o ponto do motor. Paguei pelo serviço e saí dirigindo o carro, seguindo dois amigos que me deram carona. Tudo lindo, tudo alegria... por 2 Km. Eis que ali em frente à estação de trem de Blankenfelde, aguardando a cancela abrir, ele começa a ficar com a marcha lenta ruim, cambalear e morrer. Tento ligar uma, duas, três vezes... e na quarta ele funciona, ainda que mal. A cancela abre, trafegamos por mais 600 metros e o motor morre com o carro em movimento. Paro o carro no acostamento, num lugar que parecia ser cenário dos Teletubbies, e nada aparentemente salta ãos olhos como a possível causa. 
Pifado no cenário dos Teletubbies. 

"De boca aberta", esperando um diagnóstico, físico ou metafísico. 

Minha expressão de alegria, com a condescendência dos amigos Ricardo e Raphael (felizes pelo fato do carro não ser o deles).

O "rebocador" puxando a um semelhante.
O Raphael, um dos amigos que foram comigo buscar o Wartburg, vai até a casa do mecânico e o leva lá, para tentar reanimar “a vítima”. Pois não houve gasolina, futucada nos cabos ou limpeza de velas que fizeram ele ressucitar, e ele foi puxado por um semelhante a ele (um Wartburg 353. ano 1969, muito bacana por sinal) de volta à casa/oficina para novos reparos. Os reparos feitos na hora não tiveram sucesso, então combinamos de deixar o carro lá, para investigação e conserto, sem entender o que aconteceu. O sentimento era de frustração e raiva, pois tudo ia bem... até chegar à estação de trem.


Ricardo e Raphael, fazendo uma palpiteria sobre o que ocorreu. 

Três Wartburg 353, três destinos diferentes. O meu (azul, em diagnóstico), o do mecânico (vermelho, inteiro e pronto para qualquer viagem) e o outro do mecânico (branco, servindo de decoração da casa).

O "rebocador", ano 1969. 
A única conclusão que chegamos é que aparentemente, há algo sobrenatural ocorrendo com ele – um “poltergeist” (assombração)? Um espírito teimoso? Uma relação em que ele não gosta de mim? Falaremos mais a respeito na próxima publicação. Para variar, leiam, comentem e compartilhem!

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Wilma, a Caravan 98% pronta


Já faz quase um ano desde que escrevi aqui pela última vez, sem que isso significasse que as coisas tivessem parado. Acontece que tanto se sucedeu, tantas coisas se passaram, que o blog ficou para mim como uma constant lembrança de algo a ser feito quando tivesse tempo, só que ou o tempo, ou a inspiração não estavam presentes. Mas enfim, aqui estamos novamente.

Com idas, voltas, perrengues e soluções, a Wilma ficou 98% pronta. É, sempre tem aquele 2% que impede de declarer o carro como pronto, mas a vida é assim – quando achamos que algo está concluído, outra coisa aparece e sempre estamos envolvidos em algo diferente. O conjunto motor e câmbio está um relógio, ainda que um relógio chinês e não um suiço, isso porque o motor morre em em condições específicas – motor quente, redução de rotação, como ão sair da estrada para pegar uma alça de acesso; o problema apontado era na válvula de vácuo do cambio, mas ela foi substituída e o problema apenas diminuiu. Pode ser que o carburador também precise de alguma atenção, que é o próximo passo futuramente.

Farol de neblina, no lugar onde deveria estar só o fio.
Os farois de neblina estão no lugar errado, descobrimos depois de instalados que aquele lugar onde cada um está é apenas para os fios  para ligá-los, e eles vão montados no parachoque. Então, depois que as garras dos parachoques ficarem prontas da cromeacão, colocaremos os farois de neblina no lugar certo ão mesmo tempo que instalaremos os farois de milha (já comprados, da Hella que equipavam os Opel Rekord na Alemanha). Tem que trocar também os suportes dos parassóis (já comprados, só falta instalar), e instalar o emblema na grade dianteira. E outra coisa, bem chata na minha opinião, foi que o alternador foi ligado invertido na revisão elétrica, e além de ter queimado, ele queimou também o radio original dela (sim, aquele radio “CHEVROLET” AM/FM que só saiu eu uma dúzia de carros…), e terá que ser levado para reparo. Temos também que fazer o adesivo AUTOMATIC que vai no vidro traseiro, que foi retirado durante a montagem do carro (uma pena, pois se estivesse lá, ficaria muito mais fácil de reproduzir um novo). Por fim, o carro está com o ar quente desligado, já que a bomba d’água dele não tem saída para o ar quente, mas no momento decidimos deixá-lo assim, já que a Wilma é pouco usada no inverno e esse sistema de ar quente com radiador interno é famoso por provocar vazamentos quando não utilizado com certa frequência. Com tudo isso, ela fica 99,9% pronta, pois os 100% requerem coisas caras como novos sobrearos originais, frisos originais do teto no lugar dos que foram fabricados, o próprio ar quente, então essas coisas ficam bem para trás da lista de prioridades, afinal são unicamente cosméticas e pouco adicionam à história do carro.

Placa preta para ela? Não sei, dinheiro é um recurso limitado e o valor eventualmente gasto para colocar placa preta pode ser usado em outras coisas mais importantes nela ou em outros carros, com mais benefícios do que colocar a tal placa de cor negra.

Aproveito e recomendo os ótimos trabalhos de funilaria, pintura e montagem feitos pelo Kot (Facebook: www.facebook.com/kot.gardim) e de mecânica feitos pelo Fernando (se alguém se interessar, mando o telefone dele em mensagem privada, já que ele não tem Facebook), ambos os trabalhos ficaram excepcionais. E agradeço muito ao Felipe, meu sobrinho e amigo, que vem tocando o projeto com muito carinho e capricho.

E aí, o que acharam do resultado? Deixem seus comentários!


Dá para ser mais bonita?


Parece nova por baixo. 
Como não ter orgulho de uma "família" dessas?

domingo, 21 de agosto de 2016

Exercício à paciência e às finanças

À direita, marca do estouro causado pelo Frank (Wartburg);
à direita, marca do antigo motor "fumante" do Eusébio (Opel).
Carros antigos, carros antigos... hobby caro e por vezes estressante, tal qual a fama das "amantes argentinas"... 

O Frank, querido Wartburg 353, foi levado de guincho para uma nova oficina e sai de lá praticamente bom. O sintoma era que ao invés de funcionar, o motor dava tiros como se fossem de espingarda. Pois muito bem, com carburador limpo e ajustado, além de receber uma revisão nos freios há tempos necessária, saiu da oficina 90% bem. O problema eram os outros 10%... 
Frank ganhou uma lavagem, foi encerado e, depois de 300 Km viajados, apareceram tossidas, pipocos, um vazamento no câmbio e duas das três velas estavam bem carbonizadas. Numa nova visita à oficina, um diagnóstico desanimador - a solução para o problema é a troca do motor. Tristes com a notícia, Frank e eu seguimos para o estacionamento, tendo como "gran finale" a perda de força do motor e um novo tiroteio, que atrapalhou o trânsito e entreteve turistas. Póximos passos? Conseguir um horário com um especialista em Wartburg (há 200 Km daqui) e levá-lo até lá para uma solução permanente.
Frank lavado, encerado e consertado, pronto para um passeio.
A estrada, Frank e eu. 
"Pequeno" vazamento de óleo do câmbio (ou "proteção contra corrosão à moda alemã oriental").
Pausa para um pequeno descanso.
  
Velocidade máxima atingida, em leve declive e com motor pipocando. Temperatura do motor constantemente alta, independentemente da velocidade. 
Após viagem, duas de três velas sujas. Mau sinal. 
Eusébio recebeu um motor novo (o que não foi barato) e a oficina que colocou o motor fez o "grande favor" de não ver a embreagem e, além do motor esquentar em velocidades médias e altas, a embreagem começou a patinar. Comprei peças (disco de embreagem, rolamento de embreagem e radiador novos), e o serviço rápido na (outra) oficina virou (outra) dor de cabeça pois a embreagem e o rolamento são diferentes entre o especificado (o que comprei) e o que estava no carro (de uma nova outra configuração, intermediária entre o ano do carro e o novo modelo). Adivinha? Eusébio continua na oficina, peças sendo procuradas e a perspectiva de uma conta que vai ficar cara...


Motor novo no lugar. 
O motor novo trouxe muito mais disposição na Autobahn...
... e também um aumento de temperatura não visto outrora.
Trocando o óleo, depois que o recém colocado ficara afetado pelo aquecimento excessivo do motor.

Eusébio ao lado de outros pacientes no "Hospital Albert Einstein" automotivo, aguardando a chegada das peças. 


É gente, tem horas em que a paciência chega no seu limite mínimo, e o saldo bancário também. 

domingo, 29 de maio de 2016

Divirta-se (ou melhor, Viel spaß), Elke!

Chegara à conclusão que "os olhos foram maiores que o estômago", metaforicamente exemplificando a dificuldade em manter três carros e uma moto num país longínquo e com hábitos, leis e recursos, tão diferentes dos que eu conhecia em outra realidade. O custo doeu, o tempo se fez escasso e as alternativas disponíveis eram todas demasiado custosas para manter uma pequena frota germânica rodando adequadamente, e consequentemente assumi a alternativa de reduzir a frota. Elke, a tão simpática Trabant Kombi, foi escolhida para mudar de dono. 

O Frank (Wartburg) foi (de novo) para a oficina, novamente por motivo simples mas que requeria mão de obra e espaço especializados, para ajustar a ignição, limpar carburador e substituir o tanque com ferrugem por outro em melhor estado; o Eusébio (Opel Rekord) mostrara que seu motor dara o "canto do cisne" e estava em últimos dias de vida pré-retífica. E a Elke, ah, a Elke... sua ignição teimava em seu comportamento temperamental, e também por ter menos de 30 anos ela não podia trafegar em qualquer lugar em Berlim, por não possuir o "selo verde" de baixas emissões - algo impossível num carro com motor dois tempos; dirigí-la nas estradas era possível mas também um bom exercício de paciência, já que não passava dos 100 Km/h, sem antes ter muito sofrimento para atingir essa velocidade. Então, mesmo com o coração sofrendo a cabeça (e o bolso) falaram mais alto e a anunciamos, por aproximadamente o mesmo que ela me custou. 

Em menos de uma semana houve uma porção de interessados que ligaram e mandaram mensagens - desde especulativas oferecendo uma ninharia por ela, até uma pessoa que quis vê-la. Combinamos para o sábado, e logo a avisei que iria buscá-la no estacionamento - intimamente torcia para que ela funcionasse direito e que a ignição se comportasse adequadamente. Sexta-feira a noite, fui ao estacionamento, limpei as velas, mexi nos cabos e... nada dela ligar. Fiquei irritado, falei que a venderia por qualquer valor se ela continuasse assim e... de novo, nada. Respirei fundo, olhei para ela e disse: "Elke, está bem. Se você funcionar direitinho eu não te vendo mais". E ela ligou como se nada tivesse acontecido... nem tive tempo de ficar pensando muito a respeito desse comportamento - fechei o capô e segui viagem até o prédio onde moro. No caminho, o carburador insistia em não querer sustentar marcha lenta, e a fumaça azulada proporcionava um perfume pouco apreciado pelos motociclistas e motoristas dos carros conversíveis que compartilharam conosco do trânsito do centro da cidade. Ainda assim, ela atraía sorrisos e acenos das pessoas, que ou viveram na DDR ou então se simpatizam com os Trabant. 

Nada como um bom banho...
No sábado, preparativos para a venda - uma boa ducha, uma aspiração interna, separar as peças de reposição que a acompanhariam caso passassem para outras mãos... e esperar pelos potenciais compradores. Conversamos, afinal a possibilidade de seguirmos por estradas separadas era real. Ela parecia saber disso, e ainda assim se sentir feliz por tudo que passou até o momento. Estava bem, e mantinha aquela carinha rabugenta e ao mesmo tempo sorridente que só um Trabant sabe fazer. Enquanto removia umas poucas manchas de graxa na pintura, via lascas e riscos na sua pintura - "marcas de uma vida que segue", parecia dizer.  Saímos do posto, e estacionamos mais uma vez na garagem a qual morou por alguns meses por conta de seus problemas de saúde mecânica - desta vez, porém, estava saudável e tranquila, e ficou contente ao receber uma rápida limpeza no painel e volante, para tirar o pó e oleosidade. Prometi a ela que não a venderia para quem a subestimasse pechinchando além da conta, ou para algum comprador que só quer ficar na moda e a negligenciar. Achava estranho uma mulher ter entrado em contato e tema por ser uma dessas pessoas "da modinha" que não teriam noção que é preciso abastecer com gasolina e óleo 2 tempos na proporção certa, o que condenaria Elke a uma troca de motor ou pior - a se transformar em objeto de exposição em algum restaurante para turistas.

Hora e meia depois, chegaram os potenciais compradores - a mulher com quem conversara e o esposo dela. Ambos pessoas nos seus 50 e poucos anos, que viveram na DDR e viram os Trabant serem vendidos novos. Eles a viram, admiraram-se ao saber que tenho um Wartburg e uma Schwalbe mesmo não sendo alemão, e gostaram que a Trabant 601 Kombi tinha o nome Elke. Foi feita a proposta - e uma contra-proposta. E fechamos negócio. Neste momento fatídico, estava chegando ao fim este capítulo na história dela e se iniciava uma nova página. Todos pareciam felizes - a nova família de Elke, a Adriana (que vira que a peruinha estava indo para uma família que cuidaria dela com carinho), e a própria Elke que parecia ter se identificado rapidamente com aquele simpático casal e parecia prever muitas aventuras e uma vida melhor. 

Negócio fechado - Elke passaria a partir de então a morar em Potsdam.
Uma das várias "cicatrizes de uma vida intensa" da Elke. Ao fundo, a nova proprietária (e tutora) e eu, assinando os documentos.
Recebi o dinheiro, eles receberam os documentos, olhei para a Elke segurando o choro de uma despedida dizendo "obrigado, minha querida! Tenha uma ótima vida daqui em diante!". No meu imaginário, pareceu-me tê-la visto responder com certa emoção e alegria com um "obrigado! Agora a vida segue. Divirta-se, pois eu certamente irei me divertir muito!".  
E numa nuvem azulada muito leve, Elke partiu para um novo capítulo de sua intensa vida. 
Com um dinheirinho na conta-corrente e um vazio no peito, Adriana e eu fomos almoçar - paguei-lhe a tão esperada pizza que ela tanto me cobrou, o que a animou sobremaneira. O tagliatelle quatro queijos que comi estava muito bom, mas curiosamente não consegui sorrir direito...


Acho que ela ficou contente...
... e enquanto isso, eu me acostumava com a ausência da minha "amiga de Duroplast".
É, o tagliatelle estava gostoso...
Com a partida dela, ganho um fôlego para me dedicar ao Frank e ao Eusébio (além da Schwalbe, a motinho) e consequentemente ter dois carros confiáveis para viagens e trajetos diários. Um dia, quando as coisas estiverem mais estabilizadas e confortáveis, procurarei e comprarei outro Trabant, provavelmente em melhores condições. Fico com a eterna imagem de um carro simples até demais, mas eficiente e simpático, que merece respeito e reverência. Enquanto esse dia não chega, fico com esse porta-copos, como a lembrança que tive a alegria de conhecer a "Elke Wunderbar". 

Viel spaß, Elke! 









domingo, 22 de maio de 2016

Wilma, uma Caravan em renovação

A vida segue, como e onde quer que estejamos. E enquanto sigo nesta estadia berlinense, a Wilma prosseguiu em processo de ressurreição - digo isso ao invés de restauração pois sob o aspecto econômico ela não seria um projeto viável, mas com tantas peculiaridades ela mereceu o resgate à antiga glória. Foi um ano de restauração, e que agora está na fase final de ajustes mas o resultado ficou ótimo até o momento. A foto de abertura deste post já diz bastante...
Wilma, em processo final de montem
 As fotos abaixo mostram como nos vimos pela primeira vez. Judiada, mas ainda em pé, parecia pedir que alguém a adotasse. Pois foi aquele bagageiro o que me cativou...

A "carinha de dó" de Wilma.
Wilma em outro ângulo.
Besta foto dá para ver que tudo embaixo dela foi restaurado ou substituído. O assoalho estava em ótimo estado, e a pintura ficou tão bonita que chegou a dar dó de pensar que esse trabalho não ficaria exposto... 

Suspensões, diferencial, freios... tudo revisado ou substituído conforme a necessidade.
Espelho dos freios devidamente galvanizado, bandejas e elementos da suspensão gabaritados e pintados a pó, terminais substituídos... um carro novo, de novo.
O motor dela, barulhento que estava, foi aberto e acabou por ser todo retificado já que não tinha apenas "uma folguinha aqui e um vazamento ali". Com isso, já se aproveitou e fez-se a pintura e galvanização de todas as peças de acordo com o padrão GM da época. O câmbio automático (TH-180) também foi aberto e todo revisado, com troca de kit e revisão do conversor de torque - afinal, se depois de anos de tratamento negligenciado, nada mais justo que deixá-lo à altura do restante do carro.

Motor da Wilma, cansado mas ainda trabalhando, recebeu o tratamento devido.

Peças pintadas, galvanizadas... 
... e motor retificado, pintado com a cor original.
Motor no lugar, com todos os acessórios.
Outras peças também receberam galvanização - além dos parachoques e respectivas garras, todas as peças que eram galvanizadas durante a fabricação do carro receberam novamente este tratamento. E também houve um cuidado em não se "superrestaurar", mantendo as próprias falhas de acabamento que a GM tinha à época, como o espirro de tinta preta nos suportes de radiador, sobre a pintura do carro. 

A montagem seguiu dando forma à Caravan.


Emblemas e outros detalhes foram dando mais vida a ela conforme eram montados. 

Visor de marcha do câmbio automático, que fica sobre a coluna de direção.
Neste momento, o interior já está todo montado e faltam pequenos (mas importantes) detalhes para serem concluídos, como a instalação dos farois de milha e de neblina, completar a revisão elétrica, e ajustar o motor e a suspensão. Gostaria de tê-la visto pronta e poder dirigí-la já sem nenhum ajuste a fazer; no entanto a experiência mostra que é melhor conviver com o atraso do que com o trabalho mal feito, portanto deixo para vê-la (e dirigí-la) para a próxima vez eu retornar ao Brasil, o que será assunto para outro post. Aproveito e deixo o meu imenso agradecimento ao meu sobrinho, Felipe, por ter coordenado este trabalho junto aos ótimos profissionais Kot (funilaria, pintura, estofamento e elétrica) e Fernando (mecânica), a quem também agradeço pelo trabalho até o momento.

Aqui está ela, quase pronta. Esta senhora está ficando linda...